Excêntrico, provocador, inovador, ciente do próprio talento e apaixonado por imagens oníricas… e por rinocerontes. Salvador Dalí deixou uma rica herança artística e cultural, marcada pela escolha do Surrealismo como gênero maior. Dalí tinha a técnica apurada de poucos artistas, capaz de dar formas e dimensões precisas a tudo que queria pintar, desenhar ou esculpir. E tinha a irreverência de transformar o bizarro em sublime.

Sua família achava que ela reencarnação do irmão. Mas só havia uma certeza: Dalí era um artista único.

O FLIPAR recorda nesta galeria.