Nos anos 70 e no início dos anos 80, as mulheres que se tornavam símbolos sexuais no Brasil traçavam um caminho: posava para uma revista das três revistas masculinas de nível (“Playboy”, “Ele Ela” ou “Status”) e fazer filmes de teor erótico no cinema.

Várias atrizes de novelas das duas grandes emissoras da época, Globo ou Tupi, seguiram este caminho e trabalhavam em películas de grande orçamento.  Outras, não tão famosas na TV, ganhavam fama e público cativo sendo protagonistas de filmes de um gênero oriundo da Boca do Lixo paulista  (polo cinematográfico de filmes de baixo orçamento): a pornochanchada.

E para relembrar algumas dessas deusas, o Flipar preparou esta galeria, onde as mostram no período áureo e como estão hoje.